segunda-feira, 31 de julho de 2017

quarta-feira, 26 de julho de 2017

Inter é denunciado por tumultos no Beira-Rio e pode perder até 10 mandos de campo


Colorado será julgado nesta sexta no STJD após confusão entre torcida e BM, em empate com Criciúma.


Os tumultos e o enfrentamento entre torcida e Brigada Militar após o empate em 1 a 1 do Inter com o Criciúma, pela 12ª rodada da Série B, podem render mais prejuízos ao Inter, além dos danos à estrutura do Beira-Rio. Nesta quarta-feira, a Procuradoria do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) denunciou o clube pelo episódio, com possibilidade de gancho de até 10 partidas sem mando de campo. O julgamento está marcado para esta sexta-feira, às 11h, em sessão da Quarta Comissão Disciplinar.

O Colorado foi enquadrado no artigo 213, inciso I e parágrafo 1º do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD, por "deixar de tomar providências capazes de prevenir e reprimir desordens em sua praça de desporto". A pena varia de multa de R$ 100 a R$ 100 mil e até perda de 10 mandos de campo.

A confusão eclodiu logo após a partida, com direito a pedras e garrafas arremessadas contra a área de imprensa do Beira-Rio. Entre vidraças quebradas e prejuízos, até a loja oficial do clube foi saqueada. Após o conflito, duas organizadas do clube foram suspensas pelo Juizado do Torcedor, devido a um pedido da Promotoria do Torcedor do Ministério Público.

O cenário de guerra, com protestos da torcida e conflitos entre torcedores e Brigada Militar, é algo recorrente no Beira-Rio em tropeços do Inter desde o ano passado. Antes do tropeço com o Criciúma, já houve enfrentamentos, por exemplo, na derrota por 1 a 0 para o Boa Esporte. Nos últimos dois jogos em seu estádio, o Inter preparou esquema de segurança reforçado, com tapumes restingindo a circulação de pessoas no estádio. A equipe, coincidentemente, venceu os dois compromissos.

O artigo 213 do CBJD:

Art. 213. Deixar de tomar providências capazes de prevenir e reprimir:
I - desordens em sua praça de desporto;
PENA: multa, de R$ 100 a R$ 100 mil
§ 1º Quando a desordem, invasão ou lançamento de objeto for de elevada gravidade ou causar prejuízo ao andamento do evento desportivo, a entidade de prática poderá ser punida com a perda do mando de campo de uma a dez partidas, provas ou equivalentes, quando participante da competição oficial.

Novo patrocinador Master do Inter


Oeste vai apelar aos CAS: O sal grosso só saiu no BID no mesmo dia do jogo


Maior folha da história da série B


terça-feira, 25 de julho de 2017

Chega o novo Reforço do Inter

Reforço de ferro dos vidros do Bêra


sábado, 22 de julho de 2017

Passa pelo Bêra? PASSA!!!


Racismo, machismo e furtos: os dez dramas do Inter na Série B

    D'Alessandro se desespera em lance do duelo do Inter contra o Criciúma

 A Série B não está nada fácil para o Internacional. O Colorado está fora da zona de classificação para a próxima Série A e já enfrentou 'de tudo' dentro e fora de campo. Desde que a competição começou, o clube viveu acusação de racismo, machismo, protesto, violência e até furtos à loja do clube. Entre percalços e acertos, vitórias e derrotas, confira dez dramas vividos pelo time gaúcho numa competição em que não está acostumado a estar.

   Machismo de Guto Ferreira

A entrevista coletiva que sucedeu o jogo contra o Luverdense criou um clima ruim para o técnico Guto Ferreira. Ao responder a jornalista Kelly Costa, da RBS TV, o treinador disse que "não faria outra pergunta a ela, pois era mulher e talvez nunca tivesse jogado (futebol)". Percebendo a colocação diferenciando gênero, o treinador pediu desculpas públicas no dia seguinte, não sem antes ser acusado de machismo nas redes sociais.

Jogo sem melhores momentos

Em 20 de junho, pela 9ª rodada da Série B, o Beira-Rio, que já viu finais de Libertadores, Brasileiro e jogos memoráveis, certamente conheceu um dos piores duelos de sua história. Inter e Paraná jogaram tão pouco que não houve transmissão de 'melhores momentos' durante intervalo da partida na televisão. Não tinha o que registrar. Praticamente sem chutes a gol nos dois lados, o duelo terminou 0 a 0 e cravou lugar entre os jogos mais fracos do ano. 

   Protestos viram rotina

Não foi uma, duas, três ou quatro vezes. A cada tropeço em casa, o Internacional conviveu com clima tenso. Lembrando os vários protestos de 2016, a torcida não engoliu as dificuldades encaradas pelo time gaúcho em jogos no Beira-Rio, realizando uma série de protestos cada vez mais violentos. De gritos de 'time sem vergonha' até o uso de violência. Tanto que o clube se obrigou a reforçar a proteção do estádio com barreiras de metal utilizadas antes do último confronto, com o Luverdense, organizou um seminário sobre segurança e fez campanha pela paz quando atua em casa.

Violência: sobrou até para as cadeiras

 E estes protestos que começaram apenas com xingamentos foram ficando mais e mais fortes. Das palavras aos gestos foi um pulo, dos gestos à violência outro. Contra o Paraná, insatisfeitos com o jogo muito fraco do time, cadeiras foram quebradas e arremessadas no campo. Do lado de fora do Beira-Rio, o clima ficou cada vez pior. Após a derrota para o Boa Esporte, pela 11ª rodada, houve o primeiro foco de confronto mais forte com a Brigada Militar. O empate contra o Criciúma gerou o ápice da tensão, com brigas, feridos, estádio depredado e duas organizadas suspensas pelo prazo de 90 dias. 

Loja do Inter sofre saques

 Ainda durante os atos de vandalismo que sucederam o jogo com Criciúma, um fato curioso e lamentável. A loja oficial do Internacional que fica no estádio Beira-Rio foi saqueada. As vitrines foram quebradas, manequins danificados e os materiais que estavam expostos levados por torcedores não-identificados. O Inter não contabilizou o dano, mas foram perto de cinco camisas e mais alguns produtos oficiais do clube que acabaram levados. 


   Derrota em casa para o Boa

Dos jogos em que o Inter tropeçou em casa, nenhum doeu mais do que a derrota para o Boa Esporte. O Colorado esperava recuperação, já estava entre os piores da competição como mandante, e na 11ª rodada pegou os mineiros de olho na recuperação. Não veio. Com gol de Diones, o Boa venceu um time desorganizado do Inter e 'marcou' a campanha na Série B. 

   Troca precoce de treinador 

A Série B foi mais difícil do que parecia. Antes do campeonato, o técnico Antonio Carlos Zago abraçava o favoritismo. Em entrevista exclusiva ao UOL Esporte, dizia que o Inter era superior aos adversários e deveria subir com alguma tranquilidade. Durou apenas três rodadas e perdeu emprego após a derrota para o Paysandu, em Belém. 

Campo esburacado no Recife

 Uma das marcas da segunda divisão até agora no Colorado também aconteceu pela falta de condições do gramado em um jogo. O Arruda, palco para o confronto com Santa Cruz, mostrou uma das piores condições de jogo já enfrentadas pelo Colorado recentemente. Buracos, lama e muita sujeira impossibilitaram qualquer ação de qualidade. Resultado: empate em 0 a 0. E campo era tão ruim que até mesmo o dono desistiu de atuar por lá depois deste jogo.


   Acusação de racismo no Ceará

 Em meio aos problemas dentro de campo, a antepenúltima rodada deu ao Colorado problemas fora dele. O Inter ganhou do Ceará por 2 a 0, mas o fim do jogo ficou marcado pela acusação do atacante Elton contra o zagueiro Victor Cuesta. O atleta do alvinegro disse que o argentino o chamou de 'macaco' durante uma discussão no segundo tempo. No dia seguinte registrou ocorrência na polícia. O árbitro do jogo não relatou nada em súmula. Também no dia seguinte, Cuesta negou ter usado termos de cunho racista para agredir o rival. 

    Nem a camisa agradou

Quando a fase é ruim, nada dá certo. Nada mesmo. O Inter lançou a camisa para esta temporada alterando um pouco o design. O vermelho ganhou uma listra mais forte horizontal na altura da barriga. E não agradou. A rejeição ao novo uniforme contrasta com os números apresentados pela direção do clube. Ao mesmo tempo que a rede social mostra descontentamento dos aficionados com os novos uniformes, o Inter informa que eles venderam três vezes mais do que o uniforme passado no mesmo período. 

Não faça como o Vila Nova...


Mais um case de sucesso no Inter


Chega!


quinta-feira, 13 de julho de 2017

segunda-feira, 10 de julho de 2017

Torcedor do co-irmão deixando o Beira-Rio


Saiu a lista dos homens mais ricos do mundo e me chamou a atenção que um brasileiro saiu na lista pela 1ª vez:


1º EUA - Bill Gates - Microsoft

2º EUA - Warren Buffett - Berkshire

3º EUA - Jeff Bezos - Amazon

4º ESP - Amancio Ortega - Zara

5º EUA - Mark Zuckerberg - Facebook

6º MEX - Carlos Slim Helu - America Movil

7º EUA - Larry Ellison - Oracle

8º BRA - José Silva - Vidraceiro Beira-Rio

9º EUA - Charles Koch - Koch Industries

10º EUA - Michael Bloomberg - Bloomberg

sábado, 8 de julho de 2017

Trabalhadores chegando na Nike para produzir a camisa do Binter...

@fredel72

Nunca faturaram tanto: BRIO teve prejuízo de R$ 89 milhões em 2016

A  Holding Beira-Rio S/A ou apenas Brio S/A é a SPE (sociedade de propósito específico) criada no mês de junho de 2012 para comandar a remodelação do estádio Beira-Rio e vai administrá-lo pelos próximos 20 anos.

Em seu primeiro ano de operação, em 2014, foram R$ 17,190 milhões de prejuízo.

Em 2015  acabou saltando para R$ 30,456 milhões.

O balanço de 2016 apresentou um déficit de 89,1 milhões.

São mais de R$ 136 milhões de prejuízo nestes três anos.

Para o executivo Paulo Urnau Pinheiro, CEO da BRIO há um planejamento para 20 anos: “Não existe como apresentar lucro no terceiro ano de um projeto de 20 anos.” Lembrando que a BRIO paga parcelas mensais de um empréstimo de R$ 350 milhões.

A BRIO é formada por enquanto por dois sócios: a Holding Andrade Gutierrez e o banco BTG Pactual, ou seja, a SPE É DE 50% de cada um desses sócios. E tem escritório localizado próximo ao estádio, onde será a sua sede.

A Brio é também gestora do novo edifício garagem, das novas áreas de negócios do estádio e explora:
– o estacionamento no edifício-garagem;
– os 55 skyboxes ;
– Os 66 camarotes (do dota de 70, pois quatro são do clube)
– AS 5.000 cadeiras VIPS (setor da antiga social) ;
– parte das cadeiras de todo o estádio (cerca de 15%) ;
São cerca de 7.000 lugares no estádio.,
O Street Mall;
OS 66 bates do estádio, e toda a gastronomia do complexto
– o Naming Rigths (se houver), e a publicidade do estádio
Os eventos no estádio
O Sunset Beira-Rio.

Tudo tranquilo pros lados do Bêra


"Só meia dúzia de vagabundos" segundo a Rádio Gaucha


sexta-feira, 7 de julho de 2017

Luan e a alternativa


Ex-vice de marketing do Inter diz que nova camisa havia sido reprovada


Ex-vice de marketing do Inter diz que camisa havia sido reprovada: "Pedimos um projeto diferente" 

Antes mesmo do lançamento oficial, a camisa do Inter está no centro da polêmica entre torcedores. Isso porque o novo modelo lançado pela Nike não agradou os colorados. E ao que tudo indica, também não foi do agrado da gestão passada, responsável pela aprovação ou não do uniforme. De acordo com Luiz Henrique Nuñez, ex-vice de marketing, o projeto apresentado no ano passado não havia sido aprovado: 

– Falamos que não estava legal. A Nike disse que pensaria em outras coisas e não chegaram a lugar nenhum. Eles escolhem e desenham. Nós vimos o projeto e pedimos um diferente, e não aconteceu – disse o ex-dirigente por telefone, que ainda questionou: – Por que acham que a entrega foi em julho?

De acordo com Nuñez, é praxe que a entrega dos uniformes aconteça em maio. E, por conta deste pedido de ajuste, teriam levado um tempo a mais. Na camisa, o desenho da faixa horizontal tem como inspiração um desenho estilizado das novas membranas da casa colorada.

O lançamento oficial da camisa acontece na noite desta quinta-feira, no Beira-Rio. Sócios, convidados, jogadores e ex-jogadores farão um jogo festivo com os modelos vermelho e branco. 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...