segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Nova boneca colorada


ChapeGRÊMIO


Prefeito de Chapecó detona diretoria do Inter: 'Clube grande com direção de várzea'


O Internacional segue colecionando críticas. Depois de ser atacada pela própria torcida, a diretoria do clube ouviu mais palavras pesadas, desta vez de Luciano Buligon, prefeito de Chapecó.

"O Internacional é um clube grande com pequenos administradores. O Fernando Carvalho é um dirigente de várzea dirigindo um clube grande. O Inter tem direção de várzea, amadora. Tem uma bela torcida, muitos sócios e um dirigente de várzea. Ele foi muito inoportuno", disse em entrevista ao UOL Esporte.

Toda a revolta com o Internacional começou na quarta-feira, quando o vice de futebol colorado Fernando Carvalho comparou a tragédia da Chapecoense com a ‘tragédia particular' do Inter e disse que o clube seria prejudicado pelo adiamento da última rodada do Campeonato Brasileiro.

Depois, o próprio Carvalho tentou se desculpar. O presidente Vitória Píffero também se manifestou e falou em não jogar a última rodada - contando com o apoio público dos jogadores colorados. O problema é que ele mesmo sinalizou para um ‘campeonato incompleto', o que poderia acabar salvando o Inter.

"O sentimento é que não poderia mais ter futebol em 2016. Mas, evidentemente, ficamos sujeitos às ordens da CBF. A proposta é não ter mais futebol em 2016. Como fazer, o que fazer, eu não sei. Essa proposta é por absoluta falta de condições emocionais", começou.

"Não estou abrindo mão de nada, estou colocando um sentimento. O campeonato estaria incompleto", completou, dizendo que não abriria mão da permanência na primeira divisão.

Nesta sexta, os mesmos jogadores vieram à público de novo para tentar esclarecer que a posição deles não é essa e até ‘aceitaram' o rebaixamento caso a última rodada da competição não fosse disputada.

No sábado, foi a vez de a própria torcida colorada protestar com uma faixa no treino. "Força, Chape. Clube grande, diretoria pequena. Na A ou na B estaremos contigo. Cala-te, Píffero".

Ainda não há nenhuma definição oficial sobre o que vai acontecer. Por enquanto, a última rodada do Campeonato Brasileiro está marcada para o dia 11 de dezembro.

O Inter, que duela ainda com o Fluminense, é hoje o primeiro time dentro da zona de rebaixamento, com dois pontos de desvantagem para o Sport, seu principal rival contra a degola. Os colorados, portanto, não dependem apenas de si para se salvarem.

Paralelamente a tudo isso, o Inter ainda protocolou no STJD um recurso para tirar pontos do Vitória, por escalação irregular do zagueiro Victor Ramos.

domingo, 4 de dezembro de 2016

Camisão da Chape no jogo do Grêmio


Prefeito de Chapecó chama diretoria do Inter de 'dirigentes pequenos'


Santa Catarina - Ainda sob forte emoção e durante o enterro do amigo e presidente da Chapecoense, Sandro Pallaoro, o prefeito de Chapecó, Luciano Buligon (PSD), fez duras críticas à diretoria do Internacional, que ameaçou entrar na Justiça caso a partida entre Chapecoense e Atlético-MG não seja disputada na última rodada do Brasileirão. O Inter precisa da vitória, e de uma combinação de resultados, para escapar do rebaixamento.

"É muito bom quando um clube grande tem dirigentes grandes. O problema é quando um clube gigante tem dirigentes pequenos. O caso do Atlético Nacional é assim: um clube grande com dirigentes grandes. Diferente do Internacional que é um clube grande com dirigentes que... Bom, é melhor eu nem falar", comentou, após o enterro do presidente.

A revolta de Buligon está relacionada às últimas declarações do vice-presidente de futebol do time gaúcho, Fernando Carvalho. O dirigente do Inter já deu declarações dizendo que o adiamento de rodadas "vai ser prejudicial ao clube" e que o time estaria "vivendo uma tragédia particular".

Uma das declarações mais fortes de Carvalho, e que mais incomodou torcedores e dirigentes da Chapecoense, foi dada durante entrevista à ESPN: "Já perdemos um campeonato no tapetão Então, o Inter tem todas as questões éticas para defender o caso. Isso vai ser tratado com o jurídico. Não tenho problema de ter a fama de usar o tapetão", avisou o dirigente, em alusão ao Brasileiro de 2005.

Os dirigentes do Inter já indicaram que podem entrar na Justiça caso o W.O. entre Chapecoense e Atlético-MG cause um efeito cascata - e outros times deixem de jogar a última rodada. Se o campeonato terminasse agora, o time gaúcho estaria rebaixado.

Desde a tragédia, clubes de todo o mundo se manifestaram em solidariedade a Chapecoense. Times da Série A, inclusive, prometeram emprestar jogadores gratuitamente para o clube se reerguer na próxima temporada.

sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

Presidente do STJD ameaça punição ao Inter: 'No tapetão, não vai ganhar'


O presidente do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), Ronaldo Piacente, afirmou nesta sexta-feira em entrevista à rádio Bandeirantes RS estar preocupado com as ações e declarações de dirigentes do Internacional sobre o Campeonato Brasileiro e cogita tratar-se de uma "manobra" para driblar o rebaixamento à Série B em 2017.

Além disso, o Inter entrou com ação no STJD na última quinta-feira por conta da suposta escalação irregular do zagueiro Victor Ramos pelo Vitória, exatamente seu adversário na luta contra a degola no Brasileirão.

"Infelizmente, tem essa cultura do 'jeitinho brasileiro'. Isso nós não podemos aceitar. Todo o final de campeonato é a mesma história. Isso é lamentável".

Veja a entrevista de Píffero e o elenco do Inter sugerindo o fim do campeonato:

"Isso está me parecendo uma tentativa do Inter para não ser rebaixado. Vou ficar muito atento quanto a isso. Se eu sentir alguma manobra, vou agir e punir o clube. Nós vamos agir sim para que ninguém se beneficie da tragédia dos outros", declarou.

"Inter disse que tem duas novas provas sobre Victor Ramos. Ainda não recebi. Vamos analisar", garantiu o presidente do STJD.

Em entrevista à rádio Gaúcha, o diretor de futebol do Inter, Ibsen Pinheiro, negou que exista manobra para evitar a primeira queda do clube na história.

Repórter da Zero Hora: 'Parece que o Inter está fazendo manobra para o campeonato não terminar'
"Não posso imaginar que alguém identifique o Internacional pedindo uma manobra para fugir a resultados de campo. Isso não é compatível nem com a grandeza nem com a história do Internacional e também não é compatível com os fatos que ocorreram".

"Não é feio cair para a segunda divisão, feio é fazer manobra para não cair ou para voltar. Cair por mais triste que seja não é feio. Se ocorrer, fará dignamente", falou.

Dinei chuta o balde sobre os jogadores do Inter

video

Jornalista da Fox responde a Alex


quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Time salafrário III


Time salafrário II


Time salafrário I


Louco para melar o Brasileiro, Internacional já está rebaixado moralmente


O Internacional quer agora cancelar a última rodada do Brasileiro. Os jogadores do Colorado, em entrevista coletiva, afirmaram que não têm “condições” de jogar contra o Fluminense, por causa da tragédia com a Chapecoense.

É compreensível. Não há quem não tenha ficado abalado com tudo o que aconteceu na Colômbia. E os jogadores, de todos os times, perderam colegas e estão toda semana viajando de avião para jogar. Agora, há um porém…

Com a equipe dentro da zona de rebaixamento, em caso de cancelamento da rodada, a lógica aponta que o Inter estaria na Segunda Divisão, certo? Bem, aí o Inter não quer comentar, prefere não tratar das possíveis consequências.

Só eu estou achando meio estranho tudo isso? Não está batendo.

Curiosamente, o Inter aproveitou esta quinta-feira (1) para também ingressar no STJD, provocando o tribunal sobre o caso do zagueiro Victor Ramos, do Vitória, rival na briga contra a degola. Questão que a CBF já adiantou que está regular e que não deve prosperar no tapetão.

O iminente rebaixamento parece mesmo estar abalando fortemente os colorados. Não bastasse tudo isso, Fernando Carvalho, dirigente do clube, deu possivelmente a mais infeliz das declarações envolvendo a Chape.

Reclamou do adiamento da rodada, dizendo que o Inter também tinha sua “tragédia particular que é fugir do rebaixamento”. O cartolão foi tão infeliz, tão insensível, que correu para pedir desculpas. Mas aí o estrago já estava feito.

Clube de história riquíssima, infinidade de títulos importantes e torcida gigante, que não tem nada com tudo isso, o Inter a cada dia mais queima o seu filme. Culpa da cartolagem, que procura uma saída para escapar do vexame da própria incompetência.

Vergonha

video

Até os colorados repudiaram o "Deus Carvalho"

video

Diferença entre times


Colorados acabam com estoque de xampu em Porto Alegre


Para pensar...


Finalmente descobrimos o que D´alessandro procurava


Passei o Trator


quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Carrasco do Palmeiras em 2002 revela calote do Internacional em oferta de mala branca. Abre o olho Figueira!



Carrasco do Palmeiras em 2002 revela calote do Internacional em oferta de mala branca

Mesmo reserva do Vitória na ocasião, André foi decisivo para a primeira queda de divisão da história do Palmeiras. Foi dele o último gol sofrido pela equipe então comandada por Levir Culpi naquela temporada, decretando o triunfo dos baianos por 4 a 3 no Barradão. Quatorze anos depois, o atacante já fala abertamente sobre a mala branca que moveu o seu time naquele 17 de novembro, aponta um envolvido - segundo ele, o Internacional fez uma proposta por telefone - e até acha graça por jamais ter recebido a quantia acordada.

Gazeta Esportiva: Você estava em campo quando o Palmeiras foi rebaixado pela primeira vez, em 2002, e até marcou um gol pelo Vitória. O que se lembra daquela partida?
André Neles: Foi um jogo tenso. O Vitória estava bem no campeonato e poderia ficar entre os oito melhores com uma combinação de resultados. Entramos determinados a vencer. Já o Palmeiras estava nervoso, não conseguiu fazer um bom jogo. Acabamos ganhando, e eu tive a felicidade de marcar o quarto gol. Saiu de uma grande jogada do Zé Roberto, que entrou na área, driblou dois zagueiros e chutou. O Sérgio rebateu, e a bola caiu no meu pé. Só tive o trabalho de empurrar para dentro. Isso praticamente rebaixou o Palmeiras.

GE: Fala-se muito em mala branca no Campeonato Brasileiro. Embora vocês tivessem possibilidade de classificação, houve esse tipo de incentivo financeiro para rebaixar o Palmeiras?
André Neles: Naquela época, houve, sim. Vários clubes ligaram para a gente, oferecendo a mala branca para vencer o jogo. Mas também não pagaram. Então, não adiantou nada (risos).

GE: Ninguém pagou?
André Neles: Não. Ninguém arcou com o combinado.

GE: Quais foram os clubes que ofereceram dinheiro para o Vitória?
André Neles: O Inter foi um deles. Ofereceu um dinheiro e não mandou. A gente ganhou também porque o Inter precisava do resultado, estava para cair. Foi um dos clubes que entraram em contato e fizeram a oferta. Mas ninguém pagou. Futebol é assim: a mala branca é oferecida às vezes, mas acaba não aparecendo. 
(O Internacional terminou o Campeonato Brasileiro de 2002 na 21ª colocação, com só dois pontos de vantagem para o Palmeiras.)

GE: Como a proposta da mala branca é feita de maneira sigilosa, imagino que seja difícil para vocês cobrarem.
André Neles: Não tem como porque é um telefonema, né? Você até tenta cobrar depois, vai atrás de quem prometeu. Mas aí é a palavra de quem prometeu e não vai pagar contra a sua. Fica aquele jogo de empurra, e não sai nada.

GE: Como funciona a oferta?
André Neles: A pessoa te liga e fala: olha, tenho tanto para você ganhar o jogo amanhã. Ganhando, a gente leva o seu dinheiro depois do jogo. Aí, você ganha, mas o dinheiro não vem.

GE: Já te pagaram algum prêmio de mala branca ao longo da carreira?
André Neles: Já me ofereceram várias vezes. Mas, receber mesmo, nunca recebi. Jamais chegaram a pagar (risos). Mesmo assim, é uma coisa feita mais para te motivar.

GE: E dá certo?
André Neles: Nem precisa disso. O jogador já está muito focado em partidas assim, então nem pensa nessa ajuda. Dinheiro é bom, né? Mas acaba sendo algo imprevisível, que pode não chegar. Você nem fica esperando muito.

Seita Colorada


Ão Ão Ão, vou dançar na Segunda divisão


Sasha achou parceria para a Valsa


Acharam o Piloto do Drone


Colorado chamando estádio do Vitória de Lixo

video

Recado do Zé Love para o Cláudio Dienstmann

video

Foi mal, sabia não...


domingo, 27 de novembro de 2016

Vendido


Invasão no facebbok


Inter X Chaves


Matemática colorada


Contem me mais sobre o que vocês estão comemorando...


O Drone já partiu para o Bêra


A confiança é tanta no fiasco que as primeiras filas do Beira-LIXO foram interditadas



Recadinho do Sobis


A união faz a força


Diretoria do Internacional é incompetente também fora dos gramados. Antecipa que tentaria virar a mesa caso o time seja rebaixado. Avisadas, CBF e Globo se unem. E Marco Polo manda avisar. Não há a menor chance de tapetão…



A diretoria do Internacional cometeu um erro gravíssimo. Aliás, mais um nesta tão infeliz temporada de 2016. Se o time de Lisca Doido confirmar o seu rebaixamento para a Segunda Divisão, terá remotas chances de sobreviver no Superior Tribunal de Justiça Desportiva. Os gaúchos queimaram essa possibilidade antecipando que pretendem tirar pontos do Vitória pela escalação de Victor Ramos, por uma filigrana jurídica na sua inscrição.

Além de perder o efeito surpresa, o Internacional alertou e provocou a ira de dois inimigos gigantescos. A CBF e a TV Globo. O presidente Marco Polo del Nero já confidenciou que, sob seu comando, o futebol brasileiro não passará por nova humilhação, como aconteceu em 2013, com o estranho rebaixamento da Portuguesa. O Fluminense, rebaixado em campo, entrou no STJD e conseguiu provar que o Flamengo e a Portuguesa haviam escalados jogadores irregulares. E o time paulista caiu e entrou em parafuso. Está na Quarta Divisão, na Série D. Atolada em dívidas, tem seu estádio colocado a leilão para pagar suas dívidas.

Mas para a cúpula da CBF, a Portuguesa que afunde. Sua representatividade popular é nula. Sem força alguma nos bastidores. O que importa em 2013 é que a credibilidade do futebol brasileiro foi ferida. Sem credibilidade, empresárias sérias fogem. Por que pagar patrocínios caríssimos a uma competição manipulada nos tribunais?

Marco Polo del Nero considerou enorme erro de Marin aceitar que o Fluminense desmoralizasse o Brasileiro. As consequências pesam até hoje. Ele prometeu que a situação não se repetiria. Com o país mergulhado na recessão, os patrocinadores do futebol na Globo estão cada vez mais difíceis. A empresa costuma ter seis para dividir a cota de R$ 1,5 bilhão. Ela costumava anunciá-los no meio do ano. Só que estamos em novembro e ela só mantém quatro. Sadia e Casas Bahia abandonaram o barco.

Enquanto seus contatos comerciais estão dando a alma para buscar mais dois, surge a história que o Internacional vai entrar na Justiça Desportiva se cair. Outro time incompetente em campo vai apelar. Buscar na irregular inscrição de um atleta sua tábua de salvação. Toda a torcida, o sofrimento, a vibração dos seus torcedores e até dos adversários não valeram nada. Advogados reunidos em volta de uma mesa resolverão o destino do clube. E têm a certeza que o manterão na Série A.

A Diretoria do Internacional é incompetente também fora dos gramados. Antecipa que tentaria virar a mesa caso o time seja rebaixado. Avisadas, CBF e Globo se unem. E Marco Polo manda avisar. Não há a menor chance de tapetão...

Só que desta vez o script tem tudo para ser diferente. A CBF foi alertada pelo ansiedade derrotista da atual diretoria colorada, incompetente para comandar tão importante clube. Marco Polo e a cúpula da Globo já perceberam as reações de descrença do déjá vu. Ou seja, a situação é muito parecida com a infeliz ou criminosa escalação de Héverton pela Portuguesa.

Marco Polo prometeu e não ficou com os braços cruzados. Já acionou o seu departamento jurídico e de inscrições. E assessoria de imprensa. A missão: avisar ao futebol brasileiro que não haverá nova nojenta virada de mesa. Se o Internacional foi incompetente para não conseguir entre os 16 primeiros da Série A, que vá disputar a Segunda Divisão.

O Flamengo de Guanambi alegou a mesma irregularidade envolvendo Victor Ramos no Campeonato Baiano. Para a transferência internacional, o atleta tem que ter o nome publicado no Boletim Informativo Diário (BID) da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) até o dia 16 de março. Victor Ramos, que pertence ao Monterrey, do México, teve o nome publicado no dia 18 de março.

O Vitória, por sua vez, nega qualquer irregularidade. De acordo com o clube, houve uma solicitação para a Fifa e para a CBF para que a transferência fosse considerada nacional. O argumento é de que, após o fim do empréstimo de Victor Ramos ao Palmeiras, em dezembro do ano passado, o ITC não saiu do Brasil, assim seria uma negociação nacional. Dirigentes do Rubro-Negro garantem ter uma autorização especial para tal ato.

O zagueiro, inclusive, demorou de ser apresentado e regularizado pelo Vitória por questões burocráticas. O Monterrey precisou pedir uma autorização especial da Fifa para reativar o contrato do atleta e, assim repassá-lo ao Vitória. No sistema de registros da CBF, inclusive, o vínculo do jogador com o Palmeiras se encerrou no dia 31 de dezembro de 2015. O clube mexicano, então, teria reativado o contrato com o zagueiro no dia 16 de março e, dois dias depois, o empréstimo ao Vitória foi publicado no BID.

Se ficasse constatado o erro, o clube baiano perderia 3 pontos por cada partida que o zagueiro atuou.

Seriam 72 pontos.

"Zero, não existe irregularidade. Isso é desespero do Inter nesta hora que está caindo porque nunca caiu. Até o Bahia tinha outro argumento de que era transferência internacional (de Victor Ramos) e que por isso não poderia ser inscrito no Campeonato Baiano pelo prazo. Nada a ver com o Brasileiro. Ele está no BID", afirmou o diretor de Registros da confederação, Reynaldo Buzzoni, ao meu colega Rodrigo Mattos, do UOL.

 Diretoria do Internacional é incompetente também fora dos gramados. Antecipa que tentaria virar a mesa caso o time seja rebaixado. Avisadas, CBF e Globo se unem. E Marco Polo manda avisar. Não há a menor chance de tapetão...

Geralmente, os dirigentes da CBF se calam em situações polêmicas.

Mas Buzzoni fez questão de se posicionar,  Seguindo a determinação de Marco Polo.  A TV Globo vai divulgar até cansar que não haverá virada de mesa. A questão envolvendo Victor Ramos foi esvaziada. CBF e Globo não querem ver desmoralizado novamente o futebol neste país. A confirmação do título baiano com o Vitória é um precedente muito forte. Mas vale o registro.

A diretoria do Internacional foi incompetente não só no gramado.

Mas na sua articulação jurídica.

Deixar escapar antecipadamente a virada de mesa foi infantil.

E de novo o clube colorado volta ao seu medo maior.

Depender de Lisca Louco para se salvar.

É isso que Vitorio Piffero tem a oferecer.

Puro constrangimento ao grande Sport Club Internacional.

Campeão mundial, bicampeão da Libertadores da América.

Tricampeão brasileiro.

O único a vencer de forma invicta o Campeonato Nacional.

E está a um passo da primeira visita à Segunda Divisão.

Triste mergulho na decadência...

Colorados tentam comprar ingresso para Gremio X Atlético


"Eu acredito", o canto dos desesperados


sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Hahahahah, agora é a FIFA que enterra a tentativa de tapetão dos Morangos...


CBF consulta a Fifa e tem parecer favorável ao Vitória no caso Victor Ramos

Dirigente da entidade nacional assegurou que situação é regular

O Inter não terá uma tarefa fácil para tirar pontos do Vitória nos tribunais pelo caso Victor Ramos. Em contato com Zero Hora nesta sexta-feira, Reynaldo Buzzoni, diretor de registros da CBF, garantiu que a entidade fez uma consulta à Fifa e teve parecer favorável ao time baiano.

— Consultamos a Fifa, que já deu um parecer favorável à CBF de que essa transferência foi nacional. Não existe irregularidade. Quando um clube enfrenta situações sensíveis como a atual, acontece de procurar alguma brecha para conseguir pontos, mas não é o caso. O jogador está no BID e a situação é regular — garantiu Buzzoni.


A alegação de irregularidade no registro de Victor Ramos se dava pela transferência do jogador no início da temporada. Vinculado ao Monterrey-MEX, o defensor estava emprestado ao Palmeiras. Como foi reemprestado diretamente ao Vitória, sem retornar ao México, o negócio foi efetivado como uma transferência nacional. O contrato do jogador com o Vitória foi divulgado no Boletim Informativo Diário (BID) da CBF em 18 de março.

O Inter ainda tem chances de se livrar do rebaixamento dentro de campo. Para isso, precisa descontar quatro pontos em seis a disputar em relação ao Vitória nas duas rodadas finais.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...